Nossa primeira vez na Tailândia foi em outubro de 2016 e fomos para o Sul. Gostamos tanto que voltamos assim que foi possível. Desta vez, para o Norte. Viemos com várias programações e aprender as receitas daqui é uma delas (A comida daqui é ótima e temos um post com sugestões de onde comer em Chiang Mai). Depois de fazer um hikkin nas trilhas dentro da floresta do Inthanon National Park, ir para a cozinha preparar uma receita tailandesa seria outra aventura incrível.

Tínhamos três opções de escola para escolher. Recebemos a recomendação de uma brasileira que conhecemos aqui. Roberta, que é profissional da gastronomia, deixou São Paulo depois de cinco anos e meio na gerência de um restaurante para buscar a tranquilidade da Tailândia e conhecer os segredos dessa comida tão marcante. Hoje, Roberta estuda, trabalha e mora nesta escola. (Bati um papo com ela, se quiser conferir, acesse o vídeo ao lado)

Thai Akha Kitchen

A Thai Akha Kitchen tem a cozinha com base na cultura do povo Akha. O lugar é ótimo, muito organizado, os equipamentos são novos e muito bem conservados. Isso nos deu tranquilidade para aprender. A turma do curso era formada por pessoas de Barcelona, Melbourne, Nova York, e San Francisco. Escolhemos fazer o curso no período da manhã. Ás 9h, o red car (um taxi coletivo) da escola buscou todos nos seus hotéis, o que foi bem providencial. Quando chegamos, fomos todos para o mercado local ver coisas, conhecer o colorido e a variedade á disposição da criatividade tailandesa na hora de cozinhar. Uma das coisas que me chamou a atenção, é que aqui, a citronela é tempero frequente nas receitas Thai. Realmente, vimos e provamos muitas coisas diferentes. A experiência já começava ali. Depois de quase uma hora, passeando e comprando o pouco que faltava, voltamos para a escola.

IMG_20170626_032737411

O curso na parte da manhã custa 1000 Baht (ou US$33), em torno de R$ 98,00 por pessoa. De tarde, custa 900 Baht ou US$ 30, uns R$ 90. Atualize os valores neste link da escola. São cerca de seis horas no total, mas não vemos passar, pois a cada combinação de pratos, a gente para pra comer o que preparamos.

Nas fotos ao lado, é possível ver que o curso é dividido em partes, onde é possível escolher o prato que se quer aprender.

IMG_20170626_032721672

Niti a chef e dona da escola, que tem uma habilidade incrível de ensinar, mostra a todos como fazer as receitas, enquanto conversa sobre a história do povo Akha, os ingredientes, suas utilizações, a combinação de sabores e temperos, sempre com uma pitada de bom humor (ou sete pitadas, como ela diz que deve ser!). Ela conta com o apoio precioso de assistentes experientes, que estudam culinária. E isso foi perfeito, pois além da ajuda dela, os assistentes ficavam todo o tempo nos dando atenção e passando orientações sobre o preparo dos pratos, provando e nos fazendo sentir a evolução da receita. Quem nos ajudou muito foi Jay, muito simpático e educado. Em pouco tempo, todos do grupo estavam integrados e trabalhando muitas vezes juntos.

A cada prato preparado e degustado, era uma diversão. Eu peguei leve na pimenta, mas o Duda caprichou. Como costumamos dizer… cada um sabe. 😉

Dica: Para neutralizar o ardido da boca provocado pela pimenta, faça uma trouxinha com um pedaço de folha de alface e um galhinho de coentro. Funciona instantaneamente, como se o Corpo de Bombeiros estivessem te salvando…  

Gostamos muito dos pratos que preparamos. Não pretendo abrir um restaurante Thai mas, com certeza, vamos tentar repetir os pratos quando voltarmos ao Brasil e “convocarmos” alguns amigos voluntários para provar. Ao final, a degustação do último prato foi feita em uma mesa grande, na escola, seguida de um bate papo, como uma refeição entre amigos. Antes de irmos embora, Niti presenteou a todos com um livro de receitas e um kit de especiarias para o preparo de um dos pratos. Foi uma experiência que nos fez gostar ainda mais da Tailândia.